Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



LEITURAS

por David Areias, em 25.04.13


Luciano Violante
Politica e Menzogna
Giulio Einaudi Editore, 2013

"Quem exerce um poder político deve saber que os cidadãos têm direito de questionar as razões das escolhas no exercício das suas responsabilidades e que ele tem o dever de fornecer as explicações pedidas. Este é um ponto crítico da democracia italiana porque no nosso costume prevaleceu durante longuíssimo tempo a tolerância para com os comportamentos impróprios dos políticos; apenas se pedia a conta quando um político se encontrava em dificuldades e o pedido equivalia a uma condenação sumária: valham-nos os casos de Bertino Craxi e de Silvio Berlusconi. A antiga tolerância transforma-se em rancor e o rancor transforma-se em comportamentos demagógicos, que não distinguem mais entre responsáveis e inocentes e consequentemente, como num pogrom, condenam não os comportamentos mas o estatuto.

Tem-se definido este comportamento como 'indignação', mas de facto o termo é impróprio porque na história a indignação gerou, além do repúdio dos comportamentos incivilizados e dos seus autores, seja mobilização colectiva, seja atenção sobre as vítimas, seja empenho na mudança. Ao invés, em Itália manifestam-se cada vez mais outros sentimentos: desprezo pelos outros e orgulho em si próprio, como ressentimento. O indignado critica e mobiliza-se, o ressentido despreza e fecha-se em si mesmo. O indignado revolta-se contra aqueles que cometeram os abusos; o ressentido volta-lhes as costas. Os limites são certamente subtis e os dois sentimentos podem conviver. Mas é preciso não confundí-los. A indignação é um sentimento prevalentemente positivo porque é projectado para a mudança. Pelo contrário, o ressentimento leva ao insulto, ao turpilóquio, a um sentido de absoluta superioridade no confronto com os 'outros', considerados incapazes e inferiores. O indignado, pelo contrário, tem uma determinada política, favorece uma política diversa; traz consigo uma componente racional porque reconhece a complexidade dos problemas. Ao invés, o ressentido revolta-se contra a política, porque entende que os problemas são simples mas tornam-se complexos pela corrupção e incapacidade dos políticos. Não faltam forças políticas, homens de cultura, meios de comunicação que, por superficialidade ou para se colocar no espírito do tempo, adulam o ressentimento não o distinguindo da indignação.

Não é este o caminho."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:19



Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.





Filibuster, subs.

1. Utilização de tácticas de obstrução, tais como o uso prolongado da palavra, por membros de uma assembleia legislativa de forma a impedir a adopção de medidas ou a forçar uma decisão, através de meios que não violam tecnicamente os procedimentos devidos;

Filibuster, noun
1. The use of obstructive tactics, such as prolonged speaking, by a member of a legislative assembly to prevent the adoption of measure or to force a decision, in a way that does not technically contravene the required procedures;

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Comentários recentes




Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D