Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A GREVE

por David Areias, em 27.06.13
A aceitação da greve como direito, como forma de protesto e como argumento negocial dos trabalhadores já viu melhores dias. Parece-me que há duas atitudes fundamentais a contribuir para o seu enfraquecimento.

Um linha passiva, de descrença. Daqueles que, acreditando na greve como direito de qualquer trabalhador, deixaram de crer que a mesma produza algum efeito útil e aos poucos têm vindo a baixar os braços e a resignar-se com a incapacidade de produzir qualquer mudança. Seja com a greve, seja com qualquer outro tipo de protesto.

Um linha activa, de manso pudor. Daqueles que não acreditam verdadeiramente na greve como direito, por violar o velho princípio de "o país precisa é de quem trabalhe". Mesmo que o não assumam publicamente. Afinal, fica mal pôr em causa o direito à greve, haja pudor. Mansamente, esta linha revela a pragmática atitude de reafirmar sempre a existência do direito à greve, ignorando as reivindicações que suportam qualquer greve que seja feita, porque qualquer greve passa - "os trabalhadores têm direito à greve, mas...", "a greve é um direito constitucional que respeitamos, mas..."

Há vários factores a contribuírem para esta separação. A apropriação da linguagem dos direitos dos trabalhadores pela esquerda, conveniente quer à esquerda quer à direita. A postura de (pelo menos aparente) habitual intransigência e irrealismo das organizações sindicais. A ideia de que a greve não produz efeitos e a consequente ideia de que acaba por causar mais prejuízo colectivo do que benefício. A ideia de que a greve é algo reservado aos trabalhadores do Estado. A ideia de que a greve é algo reservado aos trabalhadores por conta de outrem. O cansaço de uns, a vingança de outros.

A consciência histórica dos direitos de quem trabalha é diminuta. Já ninguém sabe a origem, a justificação e o quanto se teve que lutar pelas oito horas de trabalho diário, pelo direito a uma retribuição digna, pelo direito a férias, pela proteção na maternidade e pela não discriminação em função do sexo.

Somos hoje uns parolos do capitalismo. Falamos em trabalhar mais sem pensar em compensar quem mais e melhor trabalha. Falamos em empreender sem levantar os obstáculos a quem quer criar o seu negócio. As desigualdades, o fosso entre ricos e pobres aumenta e aumentará. Até ao dia em que tivermos de reaprender os nossos direitos como trabalhadores. Porque todos somos trabalhadores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 13:00






Filibuster, subs.

1. Utilização de tácticas de obstrução, tais como o uso prolongado da palavra, por membros de uma assembleia legislativa de forma a impedir a adopção de medidas ou a forçar uma decisão, através de meios que não violam tecnicamente os procedimentos devidos;

Filibuster, noun
1. The use of obstructive tactics, such as prolonged speaking, by a member of a legislative assembly to prevent the adoption of measure or to force a decision, in a way that does not technically contravene the required procedures;

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Comentários recentes




Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D