Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ainda a propósito do 8 de Março

por Catarina Marcelino, em 11.03.13
A crise que coloca o país numa situação de precariedade sem precedentes nos últimos 40 anos, que leva a classe-média para o limite dos limites da sua subsistência, que aumenta o descrédito na política e nos políticos, afastou da agenda causas ligadas aos direitos humanos e ao progresso que não podem, em qualquer circunstância,para a sua defesa e concretização,estar dependentes da conjuntura financeira e económica dos países.

Se afastarmos o tema da violência doméstica, que continua a ter alguma expressão, porque serve, quer o sensacionalismo mediático, quer a visão conservadora da direita, a igualdade saiu do mapa. Contudo, apesar de ignorada, existe uma agenda que deve ser defendida, intransigentemente, por quem defende a igualdade, a justiça e os direitos humanos.

A agenda do reforço de políticas públicas de apoio às famílias com a consolidação da rede de equipamentos sociais ou o avanço nas regras da parentalidade dando mais tempo aos pais, a agenda da política laboral que combate as desigualdades fazendo convergir os salários das mulheres e dos homens pelo aumento dos rendimentos das primeiras e não pela diminuição dos rendimentos dos segundos, a agenda dos Direitos Humanos com temas como a procriação medicamente assistida ou a adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo, a agenda da paridade impondo quotas nos Conselhos de Administração das grandes empresas e alargando a Lei da Paridade aos executivos governativos, a agenda no âmbito da violência domestica que defende uma maior celeridade da justiça e menos mulheres a morrer ás mãos dos agressores e nas casas abrigo.

A agenda da igualdade é a agenda do progresso e do futuro e esta tem de ser, incondicionalmente, a agenda que, a par com o do crescimento económico e da sustentabilidade ambiental, nos lançam de uma vez por todas no séc. XXI.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00






Filibuster, subs.

1. Utilização de tácticas de obstrução, tais como o uso prolongado da palavra, por membros de uma assembleia legislativa de forma a impedir a adopção de medidas ou a forçar uma decisão, através de meios que não violam tecnicamente os procedimentos devidos;

Filibuster, noun
1. The use of obstructive tactics, such as prolonged speaking, by a member of a legislative assembly to prevent the adoption of measure or to force a decision, in a way that does not technically contravene the required procedures;

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Comentários recentes




Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D