Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Da indignação das restrições de circulação a veículos em Lisboa

por Pedro Vaz, em 18.01.15

Importa esclarecer em primeiro lugar, que as restrições à circulação de veículos automóveis em algumas zonas da cidade de Lisboa, não começou agora.

 

De facto, esta é a terceira fase de implementação. Tendo o processo sido iniciado em 2008, na sequência de uma Directiva Comunitária (Directiva Quadro n.º 2008/50/CE de 21 de Maio) e implementada gradualmente desde 2011.

 

A ideia que se pretende passar da insensibilidade social da CML e, consequentemente, de António Costa, por atacarem aqueles que menos posses têm e não têm condições para adquirirem novas viaturas, é demagogia pura e simples. Senão vejamos:

 

  1. A Zona da Cidade que está restringida à circulação de carros que cumpram a norma de emissão de partículas EURO 3 (fabricados a partir de 2000 ou veículos que tendo sido fabricados antes mas que comprovadamente cumpram a norma EURO 3) é a AV. da Liberdade e a Zona da Baixa Pombalina, podendo circular na Rua das Pretas e na Rua da Conceição viaturas que cumpram a norma EURO 2. Como se vê, uma zona bem pequena da Cidade;
  2. As restrições são das 07h às 21h dos dias úteis. Não se aplicam nos fins-de-semana;
  3. Relembre-se que a maioria do parque automóvel nacional tem em média 11 anos (dados de 2013) o que não trará grandes limitações às Zonas da Cidade onde se aplica a norma EURO 2 (viaturas construídas a partir de 1996 e/ou que cumpram as emissões referidas na norma EURO 2, ainda que construídas anteriormente);
  4. Estão excepcionadas as seguintes viaturas:
    • Veículos de emergência e de pessoas com mobilidade condicionada;
    • Veículos históricos;
    • Veículos afectos à actividade de táxi até 30 de Junho de 2015 (período para adaptação);
    • Veículos pertencentes a residentes nas Zonas de Estacionamento 5, 12 e 13 para a restricção da Norma EURO 3 e residentes na cidade de Lisboa para a restante zona de limitação da cidade;
    • Veículos a GN, GPL e motociclos;
    • veículos da polícia;
    • veículos militares;
    • veículos de transporte de presos;
    • veículos blindados de transportes de valores.

Perante tais dados, custa-me acreditar que haja assim tantas pessoas que serão afectadas.

Penso, ainda, que o trânsito no centro da cidade deve ser muito limitado, especialmente, numa cidade como Lisboa, que com todas as dificuldades que possam existir no sistema de transportes públicos, está a anos/luz de qualquer outra cidade do país e o mesmo é bastante satisfatório.

A qualidade de vida na cidade depende também de haver cada vez menos veículos a circular na cidade.

 

Está na hora de sabermos aquilo que queremos enquanto país.

Se queremos ter mais qualidade de vida e menos poluição teremos que atacar os problemas e não enfiar a cabeça na areia como as avestruzes. Pois o ano ainda mal começou e Lisboa já ultrapassou nove (9) vezes o valor máximo permitido de gases poluentes. Sempre que o nível de emissões é ultrapassado, o país é multado pela União Europeia (está bom de saber quem paga essas multas).

 

Recorde-se que hoje em dia já são fabricados viaturas que cumprem a norma EURO 6.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:17



3 comentários

De Arbitrariedade a 21.01.2015 às 21:24

A questão que não é respondida é a que corresponde a norma Euro 2, Euro 3, etc.

Pode um carro de alta cilindrada a diesel, que cumpre a norma Euro 3, poluir mais que um carro de baixa cilindrada a gasolina que só cumpre a norma Euro 2?

Se a resposta for positiva confirma-se a discriminação económica. Não se baseia em critérios de igualdade, baseia-se em capacidade económica.

E parece ser esse o caso. Um carro a gasóleo que cumpre a norma Euro 3 pode emitir 0,56 de HC + NOx e acede a todo o lado, um carro que cumpra a gasolina que cumpra a norma Euro 2 pode emitir apenas 0,5 de HC + NOx , polui menos mas não tem acesso a todo o lado.

Isto para mim é discriminação económica pura e dura.

De Comentador Acidental a 21.01.2015 às 23:19

Dou de barato a demagogia de fazer a comparação entre o malandro da "alta cilindrada" e o coitadinho de 'baixa cilindrada' quando as normas Euro 2 e 3 não têm nada a ver com cilindradas mas com emissões.
Uma cilindrada baixa pode poluir muito mais que uma alta, não tem nada a ver (as emissões de CO2/Km é que normalmente têm mas o CO2 está ligado ao efeito de estufa e não a estas considerações).
Pois a 'alta cilindrada a gasóleo'' que cumpre a norma Euro 3 e pode aceder a todo o lado pode emitir 0,56 de HC + NOx e a 'baixa cilindrada a gasolina' que só cumpre a Euro 2 emite apenas 0,5 de HC + NOx.
Até aqui parece ter razão, mas agora pergunto eu, porque é que omite a emissão de CO - o venenoso Monóxido de Carbono, o que mata os velhos à braseira e idades sortidas por esquentadores mal regulado/ventilados, o gás que faz disparar os alarmes nas garagens quando em excesso?
Eu respondo-lhe, por desonestidade intelectual!
É que o tal coitadinho a gasolina de baixa cilindrada anterior a 2000 pode emitir, e emite quase sempre e cumpre as normas das inspecções emitindo 2,2 g/km, e o malandro poluidor de alta cilindrada a gasóleo de 2000 que cumpre a Euro 2 só emite 0,64 g/km, praticamente 3 vezes e meia menos!!
Pois é, o tal 'gasóleo de alta cilindrada' posterior a 2000 polui MUITO MENOS que o pobre 'baixa cilindrada a gasolina' anterior a esse ano.
Gasoleo Euro 3 = 0,64 CO - 0,56 HC+NOx
Gasolina Euro 2 = 2,20 CO - 0,50 HC+NOx



De Arbitrariedade a 22.01.2015 às 15:27

Agradeço a sua resposta. Não posso no entanto deixar de registar que enquanto o meu comentário foi uma refutação ao seu argumento, baseado nos poluentes que de facto é preocupante na Avenida da Liberdade, e penso ter sido cordial, a sua resposta está carregada de um tom agressivo que não compreendo. Pensei que gostava de trocar argumentos mas parece que cometi algum crime, sou acusado de demagogia e sei lá mais o quê. Enfim.

O alta cilindrada e baixa cilindrada não é demagogia. É para demonstrar a questão económica. Um carro muito mais caro e supostamente menos poluente pode afinal continuar a poluir mais que um muito mais barato e mais antigo. Ou seja, não é um critério estritamente de poluição - como defende no seu texto - mas um critério arbitrário que tem como consequência punir quem menos dinheiro tem.

Os números para a emissão de CO são de relevância menor, visto serem as partículas e o dióxido de azoto (NO2) que ultrapassam os limites com frequência. O CO tem relevância para a formação do NO2 mas o factor limitante é a presença de NO e não de CO, pelo que percebo da reacção química envolvida. As emissões de NOx e de HC são, na minha visão, mais importantes para a poluição que se quer evitar (NO2), e por isso as escolhi, não na tentativa de deturpar qualquer argumento.

Note-se que omitiu da sua refutação à minha refutação as partículas. Poderia inverter o ónus da demagogia agora. Porque no que toca às partículas (o outro poluente que é preocupante na Avenida da Liberdade), um carro Euro 2 a gasolina não emitia (os carros a gasolina não emitem partículas, praticamente). Já os carros a gasóleo emitem. Um Euro 3 pode emitir 0,05, mais uma vez muito pior que o a gasolina (10x mais do que o limite actual para novos carros, a gasóleo ou gasolina). Um gasóleo Euro 4 continua a emitir mais que um Euro 2 a gasolina. Ou que um Euro 1 a gasolina.

Ou seja, quer no NO2 quer nas partículas um carro Euro 3 a gasóleo, mais caro, emite mais poluição que um carro a gasolina Euro 2. Continua a defender que é uma questão científica?

A mim parece-me uma escolha política. Mas tem consequências para a liberdade das pessoas, principalmente as mais pobres, e por isso não posso concordar. É desigual e arbitrária. Acho curiosa à isenção para os carros históricos. Não são os pobres que os têm...

Sinceros cumprimentos.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.





Filibuster, subs.

1. Utilização de tácticas de obstrução, tais como o uso prolongado da palavra, por membros de uma assembleia legislativa de forma a impedir a adopção de medidas ou a forçar uma decisão, através de meios que não violam tecnicamente os procedimentos devidos;

Filibuster, noun
1. The use of obstructive tactics, such as prolonged speaking, by a member of a legislative assembly to prevent the adoption of measure or to force a decision, in a way that does not technically contravene the required procedures;

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Comentários recentes



Arquivos

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D